Nossos escritórios e parceiros internacionais

Para informações mais detalhadas, clique nos centros culturais e escritórios abaixo. Para maiores informações sobre a sede em Zurique, favor acessar: www.prohelvetia.ch

Incidencias Sonoras IN/OUT Festival 05.09

SONANDES APRESENTA «[E.] SPACIARIO» (BOLIVIA)
15h CO
16h CL – BO
17h AR-BR-UY
22h CH

QUANDO?

ONLINE
2 – 6.09 em espaciario.space

05.09
TALK

SONANDES – Virtual territories and body dystopias. Thoughts from distancing
Fusos
15h CO
16h CL – BO
17h AR-BR-UY
22h CH

A pandemia força nossos corpos e territórios a vivenciá-los do ponto de vista virtual, sempre que possível interagindo no plano físico. Uma nova doutrina de controle do corpo é implantada, o que nos força ao distanciamento social e paradoxalmente nos dá uma superlotação na esfera privada. Ela nos empurra para a vida virtual, por medo da morte material, estas tensões entre materialidade e virtualidade foram radicalmente estabelecidas em todo o mundo. No entanto, na América Latina, vivemos uma modernidade deslocada, que torna difícil imaginar a virtualidade de todos os corpos e espaços.

O “spaciario” nasceu da necessidade de repensar e relocalizar a relação entre corpo, território, espaço e virtualidade. A plataforma hospeda oito processos criativos de coletivos e criadores bolivianos. Através de múltiplos formatos, a esfera na qual suas obras coexistem, criam e produzem é refletida. A proposta é baseada em um sistema que grava, processa e reproduz áudio espacial em 360 graus, permitindo que os visitantes do festival tenham uma experiência sonora imersiva de 360º. O desenvolvimento inclui a plataforma para cada sala de audição, projetada e ampliada com vários materiais fornecidos pelos artistas (imagens, vídeos, fotos, textos) com acesso a partir de qualquer dispositivo móvel, computador e navegador. A experiência será progressivamente expandida através dos acessórios que cada visitante possui, como aparelhos auditivos, sistema multicanal, óculos de realidade virtual, etc. O desenvolvimento desta tecnologia incentiva o uso de código aberto e procura gerar uma experiência empolgante e inovadora para a percepção dos visitantes, exibindo a sensação de movimento e propriocepção. O objetivo é levar a ferramenta ao máximo para compartilhar ambientes e espaços com os visitantes.

Sonandes é uma plataforma dedicada à promoção e difusão das práticas sonoras contemporâneas, reunindo criadores que pesquisam, desenvolvem e exibem projetos associados ao som, à percepção e ao estudo dos sentidos. Ela promove a produção e a pesquisa como um caminho de conhecimento e pensamento coletivo adotando múltiplos formatos e estratégias como, por exemplo: Puertos: Programa de residências de criação, laboratórios, processos de treinamento e publicações e Bienal Internacional de Arte Sonoro (2014, 2016, 2018, 2020).

bios e links

Adriana Aramayo: “Cuarenpena”.

“Cuarenpena” é um diário sonoro construído com sons coletados durante minha própria experiência rigorosa de quarentena. O diário exibe um contraponto entre texto e sons, sempre entre o olhar do próprio eu e a paisagem sonora daquele eu que habita um corpo confinado, como muitos outros em estado de quarentena, e como poucos na posição privilegiada de ter acesso à água, alimentos, tecnologia ou à arte. Em “Cuarenpena”, o som se articula gerando uma justaposição binária situacional com diferentes conotações (dentro e fora, mente e corpo, casa e rua, o espaço permitido e o espaço proibido, um espaço individual e um espaço comunitário negado, e também uma intimidade invadida pela esfera pública encarnada na onipresença do controle e abuso do Estado), através de um jogo semântico de som, emoção e contexto sócio-político nacional, para produzir pensamentos sobre os conflitos gerados/depredados pela pandemia em nossa sociedade, através de uma catarse acústico-corpo.

Compositora musical, artista sonora e feminista. Adriana Aramayo é formada em Música (Composição e Condução) pela Universidad Católica Boliviana “San Pablo” em La Paz. Ela tem uma pós-graduação em “Reflexões e propostas para a transformação da educação musical superior na Bolívia” pela Universidad de la Cordillera, La Paz. Em Montevidéu, ela estudou composição de música de arte e música popular, bem como a análise da música de arte dos séculos XX e XXI. Também estudou violão clássico e elétrico, bateria e piano no Conservatório Nacional de Música em La Paz. Compôs música para animações, trilhas sonoras de filmes, música de teatro, música de câmara, música eletro-acústica, música utilizando meios eletrônicos em tempo real, música coral e canções. Atualmente, ela está focada em composição, produção de áudio e educação musical.

Casa Taller y Ensamble Maleza: “un espacio vacío”.

“un espacio vacío” explora as peculiaridades acústicas de um espaço vazio e as incorpora ao discurso sonoro em um nível estrutural e expressivo. A maioria dos sons se extingue sem deixar um traço palpável, recordamos sons ou situações sonoras que os reconstruem, evocando uma experiência sensorial complexa. Propomos com esta peça uma evocação não estratégica de eventos sonoros passados, que ocorreram em um determinado espaço, através da sobreposição de temporalidades e da saturação do espaço.

O trabalho de Ensamble Maleza concentra-se na interpretação e disseminação da música contemporânea criada por compositores de diversas origens desde 2011 em La Paz, Bolívia. O conjunto também participou como ensemble-in-residence de vários ciclos de concertos didáticos na Casa Taller, com o objetivo de promover instâncias de intercâmbio entre o público, os criadores e os intérpretes. Ensamble Maleza trabalha atualmente com compositores interessados em música instrumental com eletrônica fixa ou ao vivo. Intérpretes: Carla Derpic, Marcelo Gonzales, Carlos Nina, e Miguel Llanque.

Claudia Copa Mamani: “Escola pela WhatsApp”.

Desde 17 de março, a Bolívia iniciou uma quarentena rigorosa, os alunos não retornaram às salas de aula desde aquela data. O Ministério da Educação instruiu que as aulas fossem ministradas virtualmente. Os pais e alunos de Uru Ayparavi não têm os recursos ou a infra-estrutura para fazer esta mudança na educação, esta situação gerou muita tensão e incerteza na comunidade. No início de agosto, o governo boliviano dita o encerramento do ano letivo. “School by WhatsApp” é um relato comunitário sobre a impossibilidade de assumir a educação virtual nas comunidades rurais da Bolívia.

Claudia Copa Maman nasceu em 1993 na comunidade Uru Ayparavi, município de Uru Chipaya, província de Sabaya do Departamento de Oruro, Bolívia. Ela faz parte da comunidade Uru Chipaya, uma das mais antigas culturas vivas localizadas em um território entre Bolívia, Peru e Chile. Os urus têm uma tradição muito marcada em suas roupas, arquitetura e idioma. Formada como professora na “Escola de Formação de Professores Caracollo”, na cidade de Oruro, atualmente leciona as disciplinas de Cosmovisões, Filosofias e Psicologia, na Escola Secundária “Puente Topater”, na comunidade Uru Ayparavi. Desde 2018, inicia um processo de formação em recursos artísticos, em 2019, junto com seus alunos e colegas, apresenta uma pesquisa artística na exposição “Babel”: Contos de escuta”. Sua produção está relacionada à identidade, às tradições e à linguagem Chipaya. A partir de suas práticas, ela mantém viva sua cultura.

Cristina Collazos: “Almuerzo familiar”

“Almuerzo familiar” é um retrato da maneira de abordar a vida cotidiana na Bolívia. Nem mesmo a ameaça de morte que vivemos, com a pandemia, causa qualquer mudança em nossas formas de “viver a vida”. Temos a virtude de nos adaptarmos a qualquer situação, mas à nossa maneira, trapaceando, sendo desonestos. Acreditamos que enganamos a todos, mas realmente, a quem estamos enganando? “Almuerzo familiar” é uma videochamada de Zoom, onde 4 membros de uma família se reúnem para almoçar. Este almoço familiar é feito no mesmo ambiente, sobre a mesma mesa. Cada membro da família tem seu próprio dispositivo que é inicialmente o meio pelo qual interagem, gradualmente este meio está perdendo importância e eles acabam interagindo ignorando-o completamente. O áudio é o registro sonoro deste almoço, manipulado ao vivo. Cada local dos 4 membros da família é isolado sonoramente, usando microfones de contato. Há um quinto canal que grava a atmosfera desse momento, incluindo um rádio FM do local que toca durante o almoço. Estes canais são manipulados de diferentes maneiras, criando assim um ambiente sinistro.

Cristina Collazos Cochabamba, Bolívia. Formada em artes plásticas pela Universidade de Arte e Ciências Sociais ARCIS em Santiago, Chile, ela é co-criadora da “DLP_electronics”, um espaço de pesquisa e desenvolvimento de projetos relacionados a som, arte e eletrônica. Ela trabalhou em diferentes projetos cinematográficos e audiovisuais, da área de pós-produção e direção de arte. Ela participou de várias exposições em diferentes galerias e participou de diferentes festivais internacionais de arte sonora e música experimental. Atualmente ela está colaborando com o projeto INFRA, o laboratório de audição, desenho, ajuda na horta e observação de pássaros.

INFRA: “Solo para Braile”.

Explore a relação que os surdos estabelecem com som e vibração através de “Solo for Braille”, uma peça desenvolvida por Victor Llaves do INFRA, um coletivo que reúne várias comunidades de surdos em cada cidade.

Victor Llaves é um jovem professor de educação especial. Victor desenvolveu um sistema de pontos para escrever sua própria versão em Braille, participou da oficina da INFRA e nesta peça improvisa com dispositivos e escrita.

Lluvia: “Meus quatro cantos de energia circular”.

“Meus quatro cantos da energia circular” é um trabalho eletroacústico baseado na relação entre uma série de acordes musicais ouvidos dentro de fones de ouvido e o som do que está acontecendo no dia-a-dia fora da estrutura de um edifício. Será que estas camadas se unirão em algum momento? Será que estas camadas criarão outra camada no meio? Vamos apenas tentar ouvir profundamente e responder.

Lluvia trabalha como gerente cultural independente, organizando eventos nos quais o áudio e a música são a principal atração. Mestre em Música de Cinema: Composição Musical, Teoria do Cinema e Música Cinematográfica, para Televisão e Mídia Audiovisual (Na Academia de Cinema de Pequim). Mestrado em Composição Musical e Direção de Orquestra (na Universidade Católica Boliviana). Concluiu seus estudos superiores em Engenharia Eletrônica, referente a Sistemas de Controle na UMSA (Universidade Estadual Boliviana).

Luciana Decker e Carlos del Águila Calle

Trata-se da experimentação subjetiva, de duas sensações, relacionadas ao fogo e ao vento, ambas interligadas. O sistema de som 360º deve criar a sensação de estar próximo a estes elementos, de acordo com diferentes perspectivas. O vídeo experimental destina-se a criar estas sensações em nossos corpos com a corrupção e a eliminação de quadros.

Luciana Decker (1993, La Paz) estudou antropologia e produção de filmes. Recentemente ela terminou um mestrado em literatura boliviana e latino-americana. Ela realizou o filme “Nana” em 2016, que teve boa participação em festivais internacionais. Ela também colaborou em vários filmes bolivianos como camerawoman, mulher sonora, assistente e como co-editora de “Nuevas Pornos”, uma revista dedicada ao cinema boliviano. Carlos del Águila Calle (Lima) se considera um colaborador em processos criativos relacionados às artes visuais e vivas, com formação técnica em ferramentas de comunicação e artes cênicas. Atualmente, reside na cidade de La Paz, onde já atuou como diretor de arte em diferentes produções. Alguns de seus curtas-metragens documentais fizeram parte de festivais de cinema.

Proyecto Border: “Hacina*”.

Três corpos no mesmo espaço, uma casa que se torna um organismo vivo, latente e mutante. Três corpos obrigados a se repensarem dentro deste organismo em simbiose com tudo o que o habita e o compõe. Três corpos que buscam as estratégias necessárias para viver habilmente juntos, reconfigurando o território habitado e sendo reconfigurados por ele. A superlotação é vista por seu sentido de aglomeração, procurando ordenar o caos, como a colheita disposta lado a lado. Práticas de contato para retornar ao espaço público, tendo aprendido outras formas de estar junto.

*nome feminino Conjunto de fardos de colheita colocados um em cima do outro formando uma pilha.

O laboratório e as obras do “Proyecto Border” são entendidos como máquinas de pensamento auto-referenciais, críticas e manifestos processuais sobre a realidade da arte, do artista, de seus modos de produção e da indústria cultural. O Proyecto Border, formado por Elena Filomeno, Juanqui Arévalo e Paulina Oña, propõe habitar as fronteiras liminares entre as artes para embaçá-las, hibridizá-las, cruzá-las para questioná-las.